quarta-feira, 30 de abril de 2008

Mais Louco é Quem Me Diz...


Química instável.
Depois de dizer isso eu nem precisaria continuar escrevendo, mas não tomei minha dose de "se mancol" hoje...

À minha vida se aplica plenamente aquela frase célebre que diz: "cada mergulho é um flash!".
Às vezes fico até ofuscada com tanto flash, tonta com a velocidade das mudanças.

Todas dentro de mim.

Voltei à estaca zero e essa foi minha prova dos nove. Permiti que isso acontecesse, mas confesso que não foi totalmente proposital; eu estava otimista quanto às minhas mudanças.

Tudo mentira! Promessas quebradas!

Minhas unhas estão roídas. Meu cabelo mudou de cor, de novo. Minha insônia dá o ar da graça toda noite. Tenho enjôo; minha cabeça pensa muito. Tento advinhar o futuro. Organizo a vida em pensamentos. O mundo conspira contra mim. A vida se embaralha outra vez. O ponteiro da balança sobe.

E eu fico aqui pensando: quem poderá me salvar???

Faço cronogramas pra cercar o tempo e me convencer a levantar em um horário decente, porque deus ajuda quem cedo madruga.

Me agarro a uma coisa de cada vez, embora eu saiba que a outra coisa é mais importante que a uma, e que isso limita minhas chances. Mas tudo bem, melhor um pássaro na mão que dois voando.

Nem sei se um dia estarei estável o suficiente pra fazer mais de uma coisa por vez, mas a esperança é a última que morre.

Considerando que já tenho 31, é melhor começar a levar a sério as tentativas de estabilizar, porque já deixei passar muitas oportunidades. Antes tarde do que nunca, mas não quero chegar aos 71 tentando. Ninguém merece ter crises existenciais nesse período da vida.

O que me consola é que, no final, tudo dá certo.

Às vezes fico mesmo pensando em todas as mudanças pelas quais eu passo sem entender exatamente o que tenho que mudar em mim pra me sentir fazendo parte do mundo. A última coisa na qual eu quero acreditar é que a gente é pra o que nasce.

Será mesmo que pau que nasce torto nunca se endireita?

(Segura o tchan!!!)

Antes, até, penso se vale a pena ficar falando sobre as minhas questões pessoais aqui. Na maioria das vezes fico constrangida em admitir minhas limitações e a maneira como funciono é uma delas... Quer saber? A vida é da pessoa!

Mas pensando na minha profissão, talvez fosse mesmo bom encerrar o assunto por aqui e fazer uma capa de equilíbrio e serenidade, porque em terra de cego, quem tem olho é rei.

Por outro lado, talvez compartilhar essas questões seja bom, no final das contas, porque uma andorinha só não faz verão. E eu já entendi faz tempo que, em certas situações, é preciso uma força-tarefa.

Bom, pode ser, inclusive, que não tenha ninguém aí lendo. Pode ser que, ao ler sobre as minhas questões pessoais, o máximo que você, leitor, possa ou consiga fazer é lembrar das suas próprias questões pessoais e fale sobre elas no seu comentário, esquecendo que o foco aqui são as minhas questões. E nesse caso, antes só que mal acompanhada!

Na verdade, eu agradeço a sua visita. Muito mesmo! E entendo que cada um trate a si como prioridade absoluta. O que eu quis dizer é que...

Ah! Deixa pra lá...
Cada um com seus problemas!

5 comentários:

Vivi disse...

Seus posts me emocionaram. Que péssimo é estar longe de quem a gente gosta de gostaria de cuidar. Como posso te ajudar? Como você tem se ajudado?
Ô, amida...

Michele Oliveira-Silva disse...

Muitas vezes eu também lamentei o fato de você estar longe e eu não poder te dar uma mãozinha, ou um ombrinho...
Não sei propriamente se tenho me ajudado. Às vezes acho que não. Mas às vezes, ouço a Adriene me dizendo: "Isso é o que você pode fazer no momento. Respeite esse limite!".
E aí eu obedeço...
Beijocas!

Drica disse...

Engrosso aqui o coro das Amidas.
Tenho lido os teus posts, Mi. Percebo que as dúvidas persistem. Minha questão é se um dia a gente vai se ver livre delas, pelos menos daquelas mais familiares.
Não esquece que estou aqui no caso de uma força-tarefa.
Bjs!

Beth disse...

Eu gosto de ler teus posts também. E entendo bem tuas dúvidas... Sabes que podes contar comigo, né? No que puder ajudar, tô aqui...
Eu me deparei com coisas minhas quando li o que escrevestes. Pensei: porque não escrevo bem assim...rsrrs
Te cuida, Mi
=D

Michele Oliveira-Silva disse...

Amigas, queridas!!!
Vocês são umas fofuras! Obrigada mesmo pelo apoio... Meus olhos enchem de lágrima quando leio as coisas que vocês escrevem. Nesses momentos posso ter sentimentos pululando dentro de mim; todos, menos solidão!!!

Beijocas!